A poesia tem razão de afirmar a vastidão de seu império, mas não nos é permitido contemplar essa vastidão sem saber imediatamente que se trata de um engodo inapreensível; não é o império, mas antes a impotência da poesia. 

Bataille, A Literatura e o Mal, pág. 81

Bataille

www.000webhost.com